Libras Básico:

Libras Básico:

4º módulo: Prevenção – Fatores de Risco

Qualquer bebê recém-nascido pode apresentar um problema auditivo no nascimento ou adquiri-lo nos primeiros anos de vida. Isto pode acontecer mesmo que não haja casos de surdez na família ou nenhum fator de risco aparente. Por isto peça ao pediatra para fazer o Teste da Orelhinha quando seu filho nascer. A audição começa a partir do 5º mês de gestação e se desenvolve intensamente nos primeiros meses de vida. Qualquer problema auditivo deve ser detectado ao nascer, pois os bebês que têm perda auditiva diagnosticada cedo e iniciam o tratamento até os 6 meses de idade apresentam desenvolvimento muito próximo ao de uma criança ouvinte. O diagnóstico após os 6 meses traz prejuízos inaceitáveis para o desenvolvimento da criança e sua relação com a família. Infelizmente, no Brasil, a idade média de diagnóstico da perda auditiva neurosensorial severa a profunda é muito tardia, em torno de 4 anos de idade. Lembre-se de que ouvir é fundamental para o desenvolvimento da fala e da linguagem. Se o exame não foi realizado no nascimento, faça-o agora. Procure o audiologista.

Para o bebê – 0 a 28 dias

HISTÓRICO FAMILIAR – ter outros casos de surdez na família INFECÇÃO INTRAUTERINA – provocada por citomegalovírus, rubéola, sífilis, herpes genital ou toxoplasmose. ANOMALIAS CRÂNIO-FACIAIS – deformações que afetam a orelha e/ou o canal auditivo (p.ex.: duto fechado) PESO INFERIOR A 1.500 GRAMAS AO NASCER HIPERBILIRUBINEMIA – transtorno que ocorre 24 horas depois do parto. O bebê fica todo amarelo por causa do aumento de uma substância chamada bilirrubina. Ele precisa tomar banho de luz e fazer exosanguíneo transfusão MEDICAÇÃO OTOTÓXICAS – uso de antibióticos do tipo aminoglicosídeos que podem afetar o ouvido interno MENINGITE BACTERIANA – a surdez é umas das consequências possíveis quando o bebê tem este tipo de meningite NOTA APGAR MENOR DO QUE 4 NO PRIMEIRO MINUTO DE NASCIDO E MENOR DO QUE 6 NO QUINTO MINUTO – Todo bebê quando nasce, recebe uma nota, composta por uma avaliação que inclui muitos fatores. Virgínia Apgar é o nome da médica que inventou o teste. VENTILAÇÃO MECÂNICA EM UTI NEONATAL POR MAIS DE 5 DIAS – quando o bebê teve que ficar entubado por não conseguir respirar sozinho OUTROS SINAIS FÍSICOS ASSOCIADOS À SÍNDROMES NEUROLÓGICAS – p.ex.: Síndrome de Down ou de Waldenburg

Para a criança – 29 dias a 2 anos

OS PAIS DEVEM OBSERVAR SE HÁ ATRASO DE FALA OU DE LINGUAGEM – aos 7 meses ele já deve imitar alguns sons; com 1 ano já deve falar cerca de 10 palavras e com 2 anos o vocabulário deve estar em torno de 100 palavras MENINGITE BACTERIANA OU VIRÓTICA – esta é a maior causa de surdez no Brasil TRAUMA DE CABEÇA ASSOCIADA À PERDA DE CONSCIÊNCIA OU FRATURA CRANIANA MEDICAÇÃO OTOTÓXICA – uso de antibióticos do tipo aminoglicosídeos que podem afetar o ouvido interno OUTROS SINAIS FÍSICOS ASSOCIADOS À SÍNDROMES NEUROLÓGICAS – p.ex.: Síndrome de Down e de Waldenburg INFECÇÃO DE OUVIDO PERSISTENTE OU RECORRENTE POR MAIS DE 3 MESES – OTITES

Para o adulto

Além daqueles encontrados nas crianças, os adultos podem adquirir a surdez através de: Uso continuado de aparelho com fone de ouvido Trabalho em ambiente de alto nível de pressão sonora Infecção de ouvido constante e acidentes

Um comentário

  1. To passando aqui de novo, pois já tinha salvo nos meus
    favoritos para ler depois com calma outras postagens.
    Quero te dar uma Sugestão… Como Anda as suas
    Divulgações? Já Pensou em Dar uma Turbinada no Número
    de Visitantes Reais por Aqui? E Quem Sabe Conseguir
    Novos Clientes? Se eu puder te ajudar de alguma forma
    gratuitamente, entra em contato comigo pelo email.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *